Crescimento acelerado nos negócios: Como escalonar oportunidades?

É possível extrair ferramentas para escalonar oportunidades quando se presta atenção ao cenário das empresas de tecnologia.

Em virtude da explosão de COVID em escala mundial, a demanda por tecnologia tornou-se mais intensa, o que fez as empresas desse ramo prosperarem ainda mais.

Além de crescerem simplesmente por serem donas dos produtos digitais que se tornaram tão necessários à gestão, marketing, comunicação e vendas, as tech companies puderam escalonar oportunidades.

Afinal, tornaram-se uma fonte de ferramentas tecnológicas para as empresas tradicionais.

A inteligência de dados, bem como as estratégias de marketing e venda, e até mesmo os processos internos das empresas, carecem de tecnologia, ou os negócios tornam-se fadados a permanecerem na obscuridade. Se o consumidor está na internet, as empresas devem marcar presença lá também.

Termos como big data, dashboard, otimização de processos, growth hacking e tecnologias sociais se tornaram comuns em um universo de crescimento exponencial.

Se você atua dentro do mercado B2B, criar lista de email de empresas ficou fácil, ágil e descomplicado!

O interessante aqui é utilizar os recursos em filtros avançados que a maioria das listas proporcionam aplicar, para que apenas os leads sejam encontrados.

É o universo das empresas que extraem o melhor da tecnologia para escalonar oportunidades de forma inédita.

Confira a seguir como se deu o crescimento no mundo dos negócios e maneiras de escalonar as oportunidades de sua empresa, através da inteligência de mercado e da qualificação de leads.



Crescimento acelerado no mundo dos negócios: Como escalonar oportunidades?

No modelo anterior, o crescimento das empresas se dava de forma linear, mas isso mudou da transformação digital para cá.

Obviamente, é preciso reiterar que esse cenário não foi extinto, pois há empresas de todos os ramos que são extremamente ativas no ambiente do mercado.

As empresas mais tradicionais, que em geral lidam com produtos físicos, ainda passam por uma evolução linear, isto é, crescem aos poucos, de forma paulatina.

Não passam pelo processo de escalonar oportunidades.

De fato, por conta da necessidade de elementos físicos, como estoques, fábricas, transporte, entre outros, empresas assim só podem crescer conforme seus ativos também o fazem.

Esse é um diferencial das empresas especializadas em tecnologia. Elas são especializadas em softwares, produtos ou serviços que não pedem por uma estrutura física volumosa.

Os maiores ativos dessas empresas são as próprias pessoas. O talento dos profissionais e técnicos da área faz toda a diferença no crescimento exponencial.

Afinal, as empresas de tecnologia existem para facilitar a vida do consumidor final, e de outras empresas, por meio dos avanços tecnológicos.

Contar com a Plataformas para gerar leads é uma excelente sugestão. Afinal, obter dados de empresas para obter insights relevantes é uma estratégia de marketing muito utilizada nos dias de hoje!

Companhias que começaram como startups, como o Facebook, hoje em dia são gigantes.

Quando o tempo de existência dessas empresas é contado, o crescimento em comparação com as tradicionais chega aos níveis do absurdo.

Torna-se evidente o quanto essas startups aprenderam a escalonar oportunidades criando seus próprios modelos de negócio.

Ficou claro que ainda que muitas empresas não sejam, em essência, de tecnologia, elas certamente podem lançar mão das ferramentas digitais a seu favor.

Elas podem escalonar oportunidades mesmo em seu atual modelo de negócios, basta otimizá-lo.

Como escalonar oportunidades?

A boa notícia é que é possível que qualquer empresa tire as grandes companhias de tecnologia como exemplo.

Levar não apenas as ferramentas tecnológicas, como os softwares de dados e dashboards, mas também a própria cultura para dentro de suas próprias empresas.

Trabalhar toda a empresa em cima da noção de crescimento exponencial pode ser um desafio gigante, mas com certeza é viável, mesmo para empresas menores. Isso porque o meio digital é muito democrático.

Viabiliza o uso de softwares por preços mais justos, além de escalonar oportunidades por meio da otimização de processos.

A otimização significa criar novos meios de acelerar todas as atividades empresariais, com objetivo de cortar custos e ter ganhos maiores.

Isso envolve o planejamento, a estratégia, o cronograma, a análise, a criação e o treinamento. Esses parâmetros devem acompanhar todos os setores, da produção até as vendas.

Com foco na inteligência de mercado e na prática de obter leads cada vez mais qualificados, as práticas de crescimento exponencial se tornam mais evidentes.

Toda a empresa deve mudar, mas o marketing certamente deve receber destaque no que diz respeito a escalonar oportunidades.

Utilize a Inteligência de Mercado à seu favor

É impossível escalonar oportunidades sem dar toda atenção ao marketing digital, assim como é impossível abordar o marketing digital sem considerar o que é a inteligência de mercado.

O que caracteriza esse marketing é um estudo profundo das estatísticas extraídas do mercado.

A partir de softwares e plataformas, o marketing digital é capaz de levantar dados referentes aos consumidores.

Esses dados começam por fatores simples, como informações de contato, nome, gênero e localidade. Conforme a pesquisa se aprofunda, os dados seguem essa tendência.

Começam a ser levantadas informações sobre hábitos de consumo, nível de frequência nas redes, preferência entre uma rede social e outra, horário de acesso, quais páginas curte, em quais canais está inscrito, quais blogs lê, etc.

É quase infinito o número de informações que podem ser extraídas das ferramentas de coleta de dados.

Mas o consumidor é apenas um lado deste estudo.

A inteligência de mercado também envolve a análise de concorrência, visão e posicionamento da marca (brand awareness), tendências do ambiente de mercado e vendas.

Ao juntar os dados relativos ao cliente e ao seu ambiente de consumo, os especialistas em marketing digital conseguem criar estratégias perfeitas, customizadas à identidade da empresa e à demanda do público.

Dessa forma, uma empresa pode escalonar oportunidades.

A ponte entre empresa e cliente torna-se mais estreita por meio dos aparatos digitais. Tanto o método de marketing, quanto de conversão de leads se transforma, se otimiza.

Qualifique sua base de contatos em potencial

Em uma definição rápida, o lead qualificado corresponde ao cliente que possui maior interesse possível no produto ou serviço ofertado por uma empresa.

O departamento de vendas, diante de um lead qualificado, tem mais facilidade para realizar a conversão desse lead.

Contudo, um lead não nasce qualificado. É preciso fazer o lead, que se trata de um interessado, mas não excessivamente, aderir à marca antes.

Para isso, é necessário usar das estratégias de marketing para estreitar o relacionamento com esse lead durante todo o processo, que vai do conhecimento da marca até a conversão.

Por isso que a inteligência de mercado tem valor decisivo sobre as estratégias de como gerar leads qualificados.

Uma vez que os dados são a matéria-prima das estratégias de marketing, de criação de conteúdo, de comunicação com cliente e, por fim, de vendas.

Conclusão

A realidade das grandes empresas de tecnologia, as startups que deixaram o mundo empresarial abismado ao escalonar oportunidades podem ser distantes em um sentido, o valor que essas companhias têm hoje.

Usar ferramentas inovadoras, bem como potencializar a capacidade de seus funcionários é o primeiro requisito dessa jornada.

Quando se automatiza processos que são mais burocráticos, a liberdade para a criatividade na resolução de problemas e manifestação de ideias é consequente.

Por outro lado, é válido tirar inspiração desse sucesso sem precedentes para escalonar as oportunidades de sua própria empresa.

Investir em tecnologia e na implantação de uma cultura nova de fazer marketing e vendas é o passo certo na direção do sonhado (e agora possível) crescimento exponencial.

Bons negócios.

Abraço!

Leia o Conteúdo Completo »

Como a redução de estoque pode maximizar o lucro da sua empresa?!

Todo empresário, seja mais ou menos experiente, concorda que a redução de estoque é uma solução inteligente para fazer a empresa funcionar de maneira otimizada.

É lá onde se localiza o fluxo de entrada e saída de produtos, que por sua vez dita os custos e, em última análise, o lucro de um empreendimento.

O zelo no estoque é muito mais do que uma questão de manter produtos organizados, mas sim a preocupação constante do movimento do capital de uma empresa.

O qual será o responsável pelo aumento de receita em época oportuna.

A redução de estoque é realizada por muitos motivos, mas de fato é importante lembrar que esse processo deve obedecer uma continuidade, pois o estoque é uma espécie de organismo, que se transforma diariamente.

O custo do estoque corresponde a cerca de 2% da receita líquida de uma empresa. Esse número é traiçoeiro, pois parece pequeno, mas na hora de estabelecer custos e despesas a serem cortados, mostra-se grande e significativo.

Pode ser a diferença entre o lucro e a ausência deste.

Somente no Brasil, o estoque responde a pelo menos 3% do PIB. Se levarmos em conta que nosso Produto Interno Bruto atinge a casa dos milhões, é possível compreender o valor que é desperdiçado com um estoque em excesso ou, do contrário, em falta.

Veja a seguir em detalhes o quanto a redução de estoque pode acarretar em maximização de lucros para sua empresa, e como implementar imediatamente todas as estratégias necessárias para modificar seus negócios pelo lado de dentro.

Como a redução de estoque pode maximizar o lucro da sua empresa?!

A redução de estoque alude à redução de custos desnecessários. Quando esse custo é calculado junto aos ganhos da empresa com a venda de seus produtos ou serviços, obtém-se o lucro. 

Por uma questão lógica, quanto mais se reduz o custo, mais se aumentam índices de lucratividade.

Mas, é importante analisar as subdivisões do custo de estoque para entender de onde vêm os gastos. 

Esse custo se dissemina de três formas. 

Na primeira, o custo da falta, que ocorre quando a falta de matéria-prima ou mesmo de produtos influencia na decisão do cliente e na reputação da empresa. 

É uma ocorrência que deve ser evitada sempre.

O segundo tipo de custo é o do pedido, relacionado ao andamento do produto, como transporte e armazenagem.

Para haver redução aqui, é preciso ter uma rede com uma lista de fornecedores brasileiros, que formam verdadeiras parcerias, ao oferecer bons valores e prazos de entrega mais rápidos, de maneira que sua empresa nunca ficará em prejuízo.

Já o terceiro tipo de custo que deve ser evitado é relativo à armazenagem dos produtos, que nada mais é do que um estoque parado.

Quanto maior for o intervalo de estagnação, piores os custos e despesas.

Nesse caso, é preciso ter estoque mínimo, para que nunca falte, mas para que também não haja excessos.

Uma excelente estratégia é realizar uma avaliação de fornecedores para que você possa contar com os melhores parceiros de negócio!

Estratégias para reduzir seu estoque

A redução de estoque é uma tarefa contínua que requer a implementação de atitudes corretas dentro da empresa.

É preciso compreender a natureza de cada produto, bem como fatores como a entrega, sazonalidade, fluxo de vendas, etc.

Entre as estratégias quanto à redução de estoque mais conhecidas, estão as PEPS, UEPS e o Custo Médio.

Esses métodos são primordiais na otimização e crescimento de uma empresa, sem levar em conta o seu porte.

Antes de chegar a essas estratégias de maior nome, é importante levar em conta alguns fatores para começar a sua redução de estoque. São eles:

  • Sazonalidade dos produtos
  • Atenção aos modismos
  • Estoque inferior em tempos econômicos estáveis
  • Estoque aumentado em tempos de inflação, com alta de preços
  • Atendimento integral da demanda
  • Verificação constante da validade dos produtos
  • Planejamento de compras
  • Controle rígido de entradas e saídas

O objetivo de todas essas ações é tornar o produto mais disponível, com um mínimo de estoque possível.

PEPS

Sigla para “primeiro a entrar, primeiro a sair”, esse método é simples e envolve a saída dos produtos que entraram primeiro do que outros.

Ocorre por ordem cronológica de chegada, basicamente.

Em questão de aplicação, vale muito a pena concentrar a tarefa do PEPS em um bom software, pois no que diz respeito à totalidade dos produtos, bem como seu fluxo constante, é uma tarefa colossal.

Cruzar informações sobre alocação, armazenamento, entrada e saída de produtos nas prateleiras necessita de uma base de dados sólida e atualizada.

De outra forma, o sistema PEPS pode ser comprometido por informações incorretas e isso levar a sua empresa para a direção contrária da estratégia: ao invés da redução de estoque eficaz, uma baixa de lucros.

Por meio dos softwares de controle de estoque, é possível visualizar e trabalhar com os dados físicos e fiscais de cada leva, registrar preços e o fluxo da mercadoria em si.

UEPS

Já o método UEPS é o contrário do anterior. Significa “último a entrar, primeiro a sair”.

Aqui, a ideia para a redução de estoque é precificar os produtos que chegaram depois, e disponibilizá-los rapidamente para serem logo vendidos.

Essa estratégia, embora bem conhecida, não somente é mal vista como é proibida pela Receita Federal, pois o custo dos produtos vendidos incide sobre os últimos a entrar, o que afeta negativamente o lucro contábil das empresas.

Custo médio

Esse método é o mais seguro para as empresas cujos produtos não flutuam muito em seus valores.

Ele mantém os valores de estoque atualizados através da chamada “média ponderada”.

A média ponderada é um cálculo feito a partir da soma do valor dos produtos (tanto antigos quanto novos), divididos pela quantidade de itens disponíveis no estoque.

Mas é preciso criar e implementar outras formas de controle, de modo a não confiar em dados que podem subestimar ou superestimar a redução do estoque.

Just in Time

Esse método sobre a redução de estoque implica em ter o menor estoque possível, para atender às demandas da empresa com baixíssimo custo.

Só é possível aplicar o Just in Time quando a empresa já é habituada no controle rigoroso de entradas e saídas, dado que é necessário fazer um cálculo preciso sobre as vendas.

Assim, as oportunidades de vender produtos não serão perdidas por conta dessa estratégia.

Conclusão

Trabalhar com a redução de estoque é uma tarefa árdua, mas incrivelmente compensadora, pois os frutos desse trabalho são vistos de muitas formas.

A primeira delas é na otimização da armazenagem de produtos e mercadorias. Depois, os cálculos tornam-se mais precisos. Ao fim de tudo, o lucro maior é gerado.

A redução de estoque é uma estratégia excelente, porque o lucro não está, necessariamente, atrelado ao volume de vendas, mas sim de uma distribuição, armazenagem e fluxo inteligente dos produtos ofertados.

Não importa o tamanho de sua empresa, investir pesado na redução de estoque trará resultados a curto, médio e, principalmente, longo prazo.

Poderá ser um fator decisivo até mesmo em tempos onde a economia não vai tão bem e o mercado enfrenta tantos desafios.

Em última análise, a boa gestão pode colocar o seu negócio na frente, não importa as circunstâncias.

Bons negócios,

Abraço!

Leia o Conteúdo Completo »